BRAZIL SOLOS

BRASIL_SOLOS_BANNER_BY_ANTONIO_DA_SILVA_GIF0112
(Legendas em Inglês, disponíveis no botão “CC” no vídeo)
Alugar o filme inteiro e extras por 6$
Criar nome de usuário e senha aqui
Login aqui para ver BRAZIL SOLOS e extras

Problemas com o login? Clique aqui para obter ajuda

BRAZIL SOLOS de Antonio Da Silva

Este filme tem 34 min e inclui 60 min de filmagens extras.

Em janeiro 2016, voltei ao Brasil para produzir um novo filme. Durante esta viagem, tive a oportunidade de experienciar a cultura e conhecer muitos homens brasileiros que demonstraram interesse em colaborar comigo.

Graças á rica cultura do Brasil, produzi três novas curtas-metragens: BRAZIL SOLOS, BRAZIL JUNGLE e BRAZIL CARNIVAL.
BRAZIL SOLOS é o primeiro filme a ser lançado a partir desta trilogia.

BRAZIL SOLOS entrevista 30 homens Brasileiros. Eles estão nus, descontraídos e excitados. Eles falam sobre a diversidade no Brasil, suas fantasias, os Cariocas, da bunda, a híper sexualização do homem negro e muito mais… Todos eles são sexualmente atraídos por outros homens e muito “ativos” sexualmente, apesar do fato de viverem num país muito conservador e religioso.

Um filme de Antonio Da Silva

Com: André, Anonimo 1, Anonimo 2, Anonimo 3,  Átila, Clayton, Carlos, Daniel, David,  Douglas, Duda,  Fabricio, Gregório, Henrique, Igor, Jeferson, Jonathan, Marcelo, Melo, Munhoz, Neko, Nelson, Pedro, Paulo, Rafael, Rafa, Rodrigo, Ruano e Tiago

Camara, Montagem e Design de Som: Antonio Da Silva
Musica: E.A.P. Music Productions
Assistente de Pós-Produção: Sergio Roxo
Agradecimentos: Alex Girardi, Anatomia do Fauno, Hélio Beltrânio, Flesh Magazine, Pop Porn Film Festival, Rodrigo Gerace
Ano: 2016
Duração: 34:30


Ver mais imagens aqui               Ver mais gifs animados aqui

 

What did you think about this film? Leave a comment!

46 Comments

  1. Teus filmes são obras de arte!

    Responder

  2. Eu não conhecia seu trabalho, e me apaixonei muito logo que vi fotos de um dos atores de “Brazil Solos”. Entrei em seu site e gostei da forma como você explora a “realidade sentimental” sobre o erotismo, nos distanciando do pornô industrial, nos fazendo sentir excitados por nos aproximar do que se exibe, com aquele toque de amor e desejo que também é inerente ao brasileiro, acima de apenas satisfazer desejos carnais. Queremos gozar, amamos gozar, mas também gostamos de fazer gozar, de deixar o crush apaixonado pelo boquete, pelo beijo, e até de sentir que, mesmo que seja a fast foda, que aquela eh a foda com o cara que vamos nos casar! É real como todo brasileiro que abre seus sentimentos, sua casa, e sua vida pra um desconhecido! Muitos parabéns pelo trabalho!

    Responder

  3. Open letter to ANTONIO:
    I do not like your distribution scheme. I have limited access to my computer and I would never use a public or a workplace machine to watch porn. Our nutty Christians, peculiar to our online or offline world in the US, are always looking for ways to jail guys who play with their prick in a public place.
    I am sure printing and distributing discs is no easy task; nonetheless I prefer to own a cache of nasties that I can buy and watch at any time on my disc player. Still, I like the adventure you capture in your concept of getting it off.
    Public sex has been my forte since I was about nine years old; but scoring a guy at that age was not easy. Most guys are averse to kids not just because it is illegal, but they draw a line in setting an example of correctness. I often pity the guys in my memory of my trying to seduce one two, three times my age, probably horny, but resisting my effort to arouse him. How can you judge any guy having tried and failed to resist such an offer by a knowledgable, already expert blowboy? A mere lad of ten who has no idea of what he is getting into.
    By age 14, I was cruising downtown movie houses on a daily basis. They were all over the place and easy to access. Right in your seat at any re-run grindhouse, a strange guy would slide in the seat next you and start bumping your knee. Up you get and move over a few spots in mock protest of innocence. Moments later, he also moves and the game is on. We jerk each other off at the seat a while and usually move to a spot suitable for a cocksucking orgasm. Done! Once, when so accosted, I pulled open my pants as I moved and sat down with a big boner sticking out. The guy followed, but was so shocked at the sight, he eagerly sat and continued his move down in a single sweep, took my sweet lode in just about a minute or so. Must’ve been really hot that day. Maybe it was the thrill of getting sucked off right in front of anyone wanting to watch. I was much too timid to return the favor, but it was not necessary as I sensed his body shiver his own lode while he gulped mine into his gut. I was always willing to return such a favor. After all, fair is fair, but I could not abide taking a lode for some strange idea I had about cum.. It was the constant, repeated experience of this event that finally aroused my interest. I found one of my many street guys at an abandoned railroad property. More about that later. He had a city job in the neighborhood. Weeks after our first meet at the railroad, I met him on the street and he brought me to the nearby public shower bath for sex. I knew the showers since forever, but never thought of it as a place to do it.
    I had met Tom while sitting atop the tunnel abutment talking to another guy who made quick excuses and left. He knew Tom from way back and was leaving him for me. They passed each other, one going out, the other in, with just a nod. Tom strode right up and we gabbed a bit. His ruse was to show off, so he said he had to piss and stepped away to the side of the abutment. I could see his arms manipulating, but nothing else below. In a moment, he stepped back showing a stiff, fat boner sticking out of his pants and a bog grin on his face. His dick was a beauty. Cut, like mine, but much bigger and fat. I grabbed at his cock soon as he got close and cuddled it. By age 19 I could swallow such a beauty, whole, and suck it dry. We soon retired to a shallow nearby depression, got down into 69 mode and said what I always did, “don’t shoot in my mouth”. We got it off OK, but after meeting him on the street, the shower became my favorite haunt; a grand setup, marble walled stalls with swinging wooden doors, about 30 in all. I would show up after school and hang out an hour or two. Tom got off about that time, knowing I’d likely be there, so he often showed up. We did each other a little bit, switching to knees, giving up after a suck so as not get off making pleasure last. We both gave excellent head. But he always let his lode go when my own dick was shooting down his throat. I still had a compunction about sucking seed. Well, by the time I was a sophomore, we were still at it on a weekly basis. Two or three times a month it was the same deal until, at age 15 I was naked, on my knees, sucking that boner, still bigger than mine, when Tom said “here I cum,” his usual warning to me. Instead of standing up so he could finish me, I kept sucking away with more vigor and soon his cock exploded a gusher of a load in my mouth. Positions were reversed. This time I shivered my own load on the floor as I discovered the joy of catching a hot load from a big hot guy between my hungry lips. I swallowed a bit, but my reaction was to spit it out. I still had the phobia; but by age 18 I was all in when it came to sucking a cock. I claim this is one sure way to get into the cocksucking life. Keep up the kid shit that all kids indulge in long enough, and you will find a habit you cannot control. You’re trapped. You’ve got the curse. Nothing you can do. You actually get off on the feel of a cock in your mouth. Think of the anal sphincter as the other end of your cock. With just a little practice the same results can be achieved and you get to like both ends of your pecker equally. Any talk about sex must include such personal observations as object lessons. They abound in life. Getting back to whys and wherefores, we fill in the story.
    Redevelopment in the eighties saw every one of those movie places go down. Such a loss. For the next twenty years, this adventure continued in cities all across America. Movie houses, bath houses, a bars’ back room, woods, parks and rest stops; yet, in all those places the defenders of “purity” waged endless war, prodding police action. Sick! I had long since lost faith in the competence of US officials who curry such favor; all the while secretly lusting for the very same action. We al have the same urge, and it is no big sin to violate the rules. The sin lies in seeking it out. Forcing oneself into tempting situations of lusty behavior.
    Just blocks from where I lived was an empty expanse with a creek running through, about 26 acres, of abandoned railroad property where they dumped ashes for decades. Nothing there but scrub and switch grass plus a couple of unused tunnels. About 1950 I was down there putzing around when I spotted a stranger coming in. I ducked into a tunnel that had been mostly filled in at one end. Lying there on the fill, a few feet from the roof, the guy poked his head in to find me beating off. I said you can suck it if you give me money. He did, and richer by five dollars, I headed for home, but bumped into another guy who had been doing me there for over a year. He knew what was going on and warned me that a railroad guy had been watching from a switch shack across the way. He said “Change your shirt when you get home before you come back here”. He said the guy who sucked me off got into a Cadillac parked just outside the ruin. I left, and to my surprise, spotted the very same guy who sucked me plastered on huge billboard outside. His name was Chester and he was running for Lt. Governor or Atty. General. He lost but the knowledge severely damaged my respect for authority
    I am well past 50 at this time and have reservations made for a trip down to the Big Apple where I can still find a grindhouse and a bar. A bar, not with a back room, but the whole place where you can get it on in any dark spot unless the ‘monitor’ calls you out for sucking dick. Imagine that, a bar where you can take it out and show it off all night, stiff as a bone; but the monitor will be by if you let a guy suck it. The supposed difference in the two acts is the possibility of STDs. Know one thing for sure they say; it’s okay to splash cum all over your skin to no effect, but if you suck it into your mouth you will get Aids. But there is absolutely no difference between the tissue on your arm and the tissue in your mouth, esophagus, down to your gut. Both are impervious to penetration. Blowjobs are, more or less, equal to hand jobs as to catching such a disease. The real danger is the old sin of Sodom, for the inside of your colon is a super sponge that soaks up all the nutrients available and feeds it into the system. Take a lode in your ass only once, and you risk infection. Blow jobs are hardly any worse danger than hand jobs; the cum travels strait to your stomach where acid eats it up.
    What kind of a fucked up country is this? And don’t get me started on the ever present ‘splash guards’ that surround every public urinal hereabouts. But never mind, that’s enough for another sermon. Too bad you were’nt around with a camera back then. What a record we could make together
    Good luck, digger

    Responder

  4. you had me there—-hard and strong- love Antonios work

    Responder

  5. MARAVILHOSO TODOS OS HOMENS DO SOLO, ADORAIA CHUPAR TODOS, TBM AMO BUNDAS,O SEU TRABALHO É EXCELENTE, QUE DELICIA DE BUNDAS E PAUS, FICO DOIDO, ADORO HOMENS BEM LIBERAIS, QUE ESTEJAM ABERTOS A NOVAS EXPERIENCIAS, Deixe-me apresentar, me chamo Lucas, tenho 28 anos,1.90, moro em Presidente Prudente SP, moreno claro, 80 kg(corpo normal), sou dotado e bundudo, procuro amizades ou namoro, dispenso punheteiros de plantão, não curto afeminados e nem menores de idade, não ligo para sua altura, sua cor de pele, nem seu peso; ligo para caráter, honestidade e atitude ,não ligo se vc se considera ativo, passivo ou versátil,sou super liberal, não ligo se você é heterossexual, bissexual ou homossexual , , se quiser me conhecer melhor só me chamar no whats: (18)98122-0556, na primeira mensagem que me mandar já mande seu nome, sua idade, e que cidade e estado vc mora, punheteiros de plantão não percam tempo me adicionando, porque não faço ninguém gozar pelo celular ok.

    Responder

  6. Gente, nós vivemos numa sociedade falocentrica. Achei muito boa a abordagem do tema em relação ao pudor que a religião impôs sobre o sexo, mas não concordo quando um dos meninos no trailer diz que o pênis é algo “pudorizado”. Acho que em uma sociedade Machista e patriarcal o medo é a vergonha de expor o sexo masculino é muito menor em relação a exposição feminina. Na nossa sociedade a exposição do pênis é incentivada e glorificada. Homens competem pra ver quem tem o maior órgão como sinal de masculinidade, virilidade e poder. Fora que a exposição de um homem não implica em consequências severas, tendo em vista que desde criancas são insetivados ao sexo, já no caso da mulher isso é muito mais problemático. Contudo, a fotografia ficou muito boa e a edição do filme também.

    Responder

  7. I love hearing the men talk about sex. I love the honesty. I jack my cock listening to them as well as watching them. I love the public nudity. The hottest part is the openess.

    Responder

  8. superbes!

    Responder

  9. Jean-Luc unzip@orange.fr Segunda, 22 de Agosto de 2016 at 19:04

    très beau hommes simples que je voudrais avoir avec moi

    Responder

  10. Jean-Lucunzip@orange.fr Segunda, 22 de Agosto de 2016 at 19:03

    wonderfull men merveilleux hommes

    Responder

  11. Pure sensuality of wonderful men

    Responder

  12. Antônio faz um filme abordando a relação dos homens de pinto pequeno e suas vidas sexuais. Seria excelente essa abordagem e com seu talento cinematográfico ficaria show.

    Responder

  13. Another outstanding and super sexy film – filled with a wonderful mix of men showing off their beautiful bodies and sexuality! Suddenly feel the need to take a flight to Brazil!! 😉 Ganna enjoy jerking off to this video 😉 Thanks sexy Antonio xx

    Responder

  14. Hello from Greece. Γεια σας. Men that response at this film are faboulous. Congratulations.

    Responder

  15. Fiquei com vontade de dar o bumbum.

    Responder

  16. Brazilians are great lovers and the world champions in sex!

    Responder

  17. Jeez. What a load of unremarkable guys to take pics of. Im sure Brazil can do way better than that. He can’t have tried very hard to find “super hot guys”.

    Responder

    1. What is “super hot”? Why “yawn”? Why “pass”? I don’t see anything wrong or unattractive with average beautiful men. After all, average is what most people are. Being average myself I like to think I’m attractive to someone. I try as much as possible to feel comfortable within and with myself in the face of a daily barrage and onslaught of negativity from people of my own sex and sexual orientation who don’t happen to find me “super hot”, or who “yawn” at me or “pass”. Why can people not THINK about what they post and THINK about what they say? I certainly hope that when other men are looking at people who post comments like that, that they, themselves are comfortable in knowing that they are “super hot”, or not somebody that would be “yawned” at or “passed” by for being too average. There is enough damned hate in the world. Why do gay and/or bi men perpetuate more marginalization from within? The men in these photos are beautiful. And they’re not afraid to just “be” beautiful. Each one beautiful inside and outside in their own way. So next time you think it’s ok to post comments that someone is not “super hot”, or you think you should publicly “yawn” at someone, or let everyone know that no one but yourself looks like a “pass”…. think again. You’re actually only making yourself look ugly, rather than attractive, at someone else’s expense.

      Responder

    2. FitFella, you’ve been watching too much porn.

      Responder

    3. FitFella, what’s wrong with reality? Reality is underrepresented in porn. To be honest, who has sex with “super hot guys” all the time? I am grateful for Antonio’s work because he attempts to represent the ordinary, the average, maybe even the neglected in erotic videography; for that his work should be lauded. Not all of his creations have aroused me, but almost everything he’s made so far, that I’ve seen, has at least intrigued me. Besides, Brazilians seem to be naturally sexy folks anyway, whether they are jocks, “boys next door,” daddies, “men next door,” bears and cubs, or just any other category that you with to use or invent to label the mostly masculine men of Brazil. So I’m grateful that at least until I can visit Brazil for an extended period of time, there is a talent out there who is willing to invest some mental energy, and go beyond the typical gay erotic videographer’s stereotypes of what men should look like, to show me Brazil, maybe even the world, as it actually is.

      Responder

  18. Ruano (Participante) Sexta, 1 de Julho de 2016 at 18:52

    Desde que conheci o trabalho do Antonio, há tempos atrás através do filme “Gingers”, eu me apaixonei pela linguagem, pelos recortes de edição e sobretudo pela ousadia da proposta, que tem um viés bem conceitual e de bom gosto, que consegue ser excitante mas também contundente, sem deixar de ser lúdico. Quando surgiu a oportunidade de participar, eu quis. Pq tive certeza que seria muito bom para mim dentro do movimento interno que ando seguindo de uns tempos pra cá.
    Onde ando refletindo muito e experimentando/experienciando o poder do corpo enquanto ferramenta de evolução consciencial, comunicação com o outro e o mundo e veículo de aprendizado vivencial. Costumo sempre dizer que não somos o corpo, que vivemos nele. Que nossa essência mais profunda é muito mais que isso, porém, estando num corpo pleno de potencialidades várias, o resgate dessa sensorialidade que muitas vezes deixamos esquecida é sim uma forma bem interessante de buscar autoconhecimento. E entre muitos aspectos, a sexualidade também perpassa por esse resgate, de muitas maneiras a serem vistas, e muitas vezes apenas olhadas, sentidas, integradas. Até pra servirem também como agentes de cura. Naturais.
    Não é fácil e nem tranquilo de forma alguma quebrar algumas cadeias que são sociais e nas quais nascemos inseridos, quando mergulhamos nesse processo de desconstrução do tabu da nudez e da expressão da sexualidade. Eu mesmo confesso que muitas vezes não sei como reagir com certas repercussões, seja de ensaios fotográficos artísticos ou mesmo com meu trabalho enquanto praticante de filosofia tântrica, por mais que a receptividade esteja sendo surpreendentemente boa para mim até agora, pelo feedback que recebo de pessoas próximas ligadas a mim. Eu confesso que me percebo tímido e até inseguro com relação a algumas coisas, e entendo ser normal: vc não tira anos e anos de condicionamento de cima de vc de uma hora para outra. Pode ser que muita gente se sinta desconfortável ou incomodada, mas aí é aquilo: é só não ver. Pq se causar problema, não é por problema meu.
    Não se trata de “Nossa, vc agora resolveu ficar exibido e ficar puteando, que surpresa, que pouca vergonha”, até pq até agora nunca ouvi nenhuma crítica-reprimenda nesse sentido, mas sim elogios à minha coragem, à minha disponibilidade em me despir e experimentar isso e à beleza dos trabalhos em si com seus múltiplos olhares. Sempre há quem pense e quem diga que tem todo um viés exibicionista por trás e em conjunto. Ok. Até tem. Sempre tem, aliás. E isso também é saudável, não tem problema nenhum com isso, desde que haja respeito. O link taí, clica quem quer ver, eu não obrigo ninguém a nada nem me imponho, nem acho que todo mundo deve sair da casca e se expor, cada um tem seus limites e suas buscas pessoais. Pra mim, funciona. Pra mim, é revelador. De mim mesmo, de aspectos meus que eu desconhecia em mim. Se tem quem mostre, é pq tem quem olhe, quem queira ver. E vice-versa.
    O nu masculino é hoje um tabu engendrado por certas religiões. Que precisa cair. Com o advento da tecnologia e da internet existe hoje em dia uma abertura muito maior para a naturalização do olhar sobre o corpo nu. As pessoas trocam certas fotos com muito mais naturalidade do que se fazia há dez, quinze anos atrás. Mais ainda estamos numa transição, lenta e progressiva. Existe ainda toda uma pressão social que prima por regras a respeito do que se pode mostrar ou não, de qual expressão da sexualidade é mais digna ou mais socialmente-aceita. Mas a despeito disso tudo, a realidade é que todos nascemos nus, que todos geralmente gostamos de algo no sexo e essa energia sexual tem grande importância na nossa vida, e que é um desafio permanente na vida humana aprender a lidar com esses aspectos.
    Eu acredito que quanto mais a gente conseguir naturalizar o nu através da arte, mais esse tabu tenderá a cair, assim como já ocorreu com tantos outros. Hoje em dia, vamos nos museus e vemos estátuas nuas, feitas lá atrás… em Grécia, Roma, Europa Renascentista… Hoje, estamos em outro momento-movimento, com muitas linguagem artísticas diferentes. Que tem grande importância, sim. Penso eu, e posso estar errado, que é uma espécie dum caminho de volta, de retorno, de desconstrução e reconstrução.
    E o que se ganha com isso?
    Se ganha que muitas repressões que geram tanta infelicidade e sentimentos de inadequação perderão a importância. Eu sempre gostei de fazer nu, qualquer um pode perguntar pra todos meus relacionamentos anteriores. A diferença é que eu não me expunha. Não me achava bonito o suficiente para isso, não tinha segurança em mim o suficiente para romper essa barreira, e confesso que mesmo já tendo uma certa experiência de um tempo pra cá, ainda me pego sem saber direito como lidar, mas me sentindo muito mais forte e seguro do quanto sou especial e do quanto posso ensinar pras pessoas que as coisas não precisam ser enxergadas como erradas, pecaminosas, hipersexualizadas, opressoras, repressoras.
    Que existem muitas formas saudáveis de olhar pro corpo, que olhar um corpo nu com tesão é normal! Que é normal as pessoas terem curiosidade e desejos com o corpo dos outros. O problema acontece quando só se consegue olhar se for com tesão, e quando se objetificam corpos desrespeitando pessoas, deslegitimando a essência de cada ser. Não tem problema associar nudez com sexo; sexo também é sagrado. Também é troca de energia, também é comunhão com o divino, já que somos um microcosmo reflexo de um macrocosmo. O desequilíbrio começa quando não se consegue dissociar nudez de sexo, e quando essa nudez é olhada com agressividade, como pecado, como erro, como fator de atraso na busca pelo autoconhecimento, quando esse corpo nu é demonizado e reprimido por um sistema que criou certas regras a fim de aumentar certas dominações mantendo a supremacia da ignorância.
    Eu podia também falar aqui especificamente de pênis, já que estou falando do tabu do nu masculino. Mas não vou entrar nessa questão pq eu entendo que genitalidade não é apenas sexo biológico e o ser humano é muito mais plural que isso, a única reflexão que eu proponho é a seguinte: pq a visão dum pênis choca e ofende tanto, ou causa tantas… celeumas e conjecturas… se é uma parte do corpo humano, como um todo? Se não temos problemas pra olhar nos olhos das pessoas, que são muito mais reveladores, pq damos tanta importância (por vezes repressora) à visão dos genitais, nossos e dos outros?
    Também não vou entrar aqui na discussão do que é falocentrismo ou não, pq penso eu que… sim, existe toda uma banalização coisificada do nu feminino que se baseia num machismo canalha e isso deve ser analisado, mas eu acho que… para destruir o machismo que sustenta aspectos do nu feminino, não tem necessidade de partir pra certos extremismos roubando inclusive o lugar de fala das próprias mulheres. São questões diferentes. Inclusive, o nu masculino é visto como “vulgar” por causa de uma herança machista que impôs a banalização do corpo feminino enquanto única possibilidade de alvo de desejo, também… Como se vê, falocentrismo é outra coisa e tem muitas caras, e combater exposição de nudez masculina em prol de empoderamento feminino de forma maniqueísta radical não é uma estratégia inteligente. A arte é muito ampla e os sentimentos humanos são múltiplos demais para que as pessoas criadoras ditem regras sobre o quê e como expressar certas visões de um ser humano que é naturalmente multifacetado. É todo um sistema: há que se analisar todas as pontas se o objetivo é apará-las.
    A roupa não é só pano, é também um código que fala da individualidade de quem a usa. Se libertar dela é se olhar. É se reconhecer. É se permitir se ver de outras formas com outros olhares. E também ver o outro sem elas é ver aspectos desse outro que muitas vezes passaram despercebidos. É se ver também no outro, é ver o outro como parte sua, como aspecto seu. É interação com o mundo, é conhecimento. Aproxima as pessoas, quebra certas barreiras, naturaliza as especificidades dentro de uma igualdade humana.
    Hoje em dia a gente pode abrir discussão sobre isso, falar sobre esse assunto. Refletir sobre padrões de beleza escravizantes que precisam ser revistos, sobre diversidade de gênero, sobre representações a respeito de papéis de gênero, podemos falar de ereção na fotografia e no cinema, de expressão de libido, da diferença entre o que é pornô e o que é conceitual, de que tipos de idéias podem ser expressas quando o assunto é nudez na arte, de como um corpo tem capacidade de comunicar algo e de se comunicar consigo mesmo, do quanto o tesão é importante como alavanca de criação e do quanto a gente pode colocar uma luz de consciência em cima disso tudo, sem pesar se tem certo nem errado, mas apenas buscando aprender… Pq a gente é dinâmico, a gente muda, a gente cresce. Eu posso inclusive estar errado e falando um monte de asneira. Mas hj penso dessa forma, e me considero aberto pra aprender mais. Mesmo assim, é bom pra gente pensar. rs.
    Super agradeço ao Antonio, pela experiência incrível que foi e aos meninos que se dispuseram a participar, pra coisa ficar tão interessante.

    Responder

  19. Wow – thanks, Antonio. Another astonishing film. It’s almost like you use the medium of film not just to seduce us, the audience, but actually to make love to us. Very horny, very powerful, very… “cummable”.
    “Cummable” is a word I just invented, after watching the film.

    Responder

  20. I haven’t paid for it – yet, but what I’ve seen certainly gets me going as several guys have facial hair. Maybe I’ll splurge out and spend the money on watching these sexy guys at beginning of July, so I won’t delete this e-mail telling me about your latest film(s), Antonio.

    Thanks.

    John

    Responder

  21. Que tesão! Vou já bater uma!

    Responder

  22. Que delicia esse gordinho, kero.

    Responder

  23. Another outstanding piece of work! Your ability to blend the real with the erotic is intoxicating – loved it!

    Responder

  24. Querido Antonio

    This is going to be the most exciting private lesson in my attempt to learn the portuguese Language. . .

    Responder

  25. Thank you – love your films – always !

    Responder

  26. i guess you need to explore more of butt cheeks ..solos scenes focused on male butt..
    very hot!

    Responder

  27. acho que precisam explorar a bunda tbm, já que falaram tanto…
    faz um solo só de bundas…

    Responder

    1. Apoio essa idéia, quero ver cus

      Responder

      1. não me importo tanto com os cus..mais com as nádegas mesmo…dá um bom documentário falar sobre o pq a bunda chama tanta atenção..focado nos homens, claro..

        Responder

  28. Wow belle, all were beautiful, exciting, wonderful to watch, love love love the variety i am on high right now, will watch again and again.

    Responder

  29. Cara, achei muito bom o roteiro das falas sobre a construção das identidades do brasileiro. A miscigenação, a forma como nos vemos uns aos outros e como somos percebidos de fora também. Bem legal!

    Responder

  30. Foi uma surpresa enorme o convite e uma grande honra ver um trabalho tão lindo e com um pedacinho de mim ali. Não sei como tudo isso poder repercutir mas pouco me importa. Foi uma experiência viva ser gravado e poder falar dos meus temores, despido de tudo, incluindo das roupas. Obg e sucesso Antonio.

    Responder

  31. I find something very special about your films besides just being sexy.

    Responder

  32. WHAT A WAY TO START MY SUMMER ! ^^ well cut, beautifully shoot yet real and genuine, it’s like having a lovely light hearted contemporary documentary & a luscious hot sexy sex film in the same reel, SUPER WONDERFULLY WELL DONE !
    p.s. now we have one on ginger, one on caucasian and one on latino, any chance we can have one done on french blacks, polynesians, vikings, or asians? ^0^

    Responder

  33. “Solos é um filme que, tal como a pulsão sexual, experimenta diversas possibilidades do desejo em sua livre expressão de rótulos e tabus. É admirável que, para tanto, Antonio da Silva ao invés de ficar ponderando ou defendendo uma tese, dá voz aos personagens para que no próprio relato o desejo amplie a percepção do corpo, dos fetiches e tabus. Toda diversidade ali apresentada (de corpos, vontades, comportamentos) são peças que provocam e rompem preconceitos. Tão transgressor, além do caráter explícito das imagens sexuais (com masturbações, ejaculações, etc), é a visibilidade da bunda e, fundamentalmente, do pau em seus movimentos. E, mais ainda: entre tantos paus, aparece a desconstrução do imperativo sexual da ereção constante, como se o o império do falo estivesse no divã em crise. “Nos vivemos em uma sociedade que não admite o pênis” – diz um relato. “Pau e bunda vai além do objeto, tem todo uma historia por trás daquilo. Às vezes uma bunda pode contar uma historia muito mais interessante que um pau gigante”. Assim, se todo pau e toda bunda contam uma historia, estamos prontos para ouvi-los”. Rodrigo Gerace, pesquisador, autor de “Cinema Explícito: representações cinematográficas do sexo”.

    Responder

  34. Um filme em que me despi de tudo: de medos, de preocupações, de estigmas e de roupas. Admito que no final do processo, ao ver um preview, a cabeça girou, montes de coisas vieram a mente e tentei desistir, mas todo o carinho e confiança no trabalho do Antonio me trouxeram de volta ao centro e eu topei com todos ou até mais “sims”que antes. Espero que seja um sucesso, e que essa peça de arte, em forma de filme, e da qual pude contribuir com pequena parte falando do que tem dentro de mim, acompanhado da carcaça que me foi dada sirva pra iluminar alguém ou alguns!

    Responder

What did you think about this film? Leave a comment.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*